Reze
Conosco

Acompanhe a Liturgia Diária e faça seu Pedido de Oração.

Abril, 2019

Liturgia
Diária

DIA 11 – QUINTA-FEIRA
5ª SEMANA DA QUARESMA

(roxo – ofício do dia)

Cristo é o mediador de uma nova aliança, para que, por meio de sua morte, recebam os eleitos a herança eterna que lhes foi prometida (Hb 9,15).

O Senhor estabeleceu uma aliança com o patriarca Abraão, da qual também nós somos chamados a participar. Observando as palavras de Jesus, receberemos a vida eterna.

Primeira Leitura: Gênesis 17,3-9

Leitura do livro do Gênesis – Naqueles dias, 3Abrão prostrou-se com o rosto por terra. 4E Deus lhe disse: “Eis a minha aliança contigo: tu serás pai de uma multidão de nações. 5Já não te chamarás Abrão, mas o teu nome será Abraão, porque farei de ti o pai de uma multidão de nações. 6Farei crescer tua descendência infinitamente. Farei nascer de ti nações, e reis sairão de ti. 7Estabelecerei minha aliança entre mim e ti e teus descendentes para sempre; uma aliança eterna, para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes. 8A ti e aos teus descendentes darei a terra em que vives como estrangeiro, todo o país de Canaã como propriedade para sempre. E eu serei o Deus dos teus descendentes”. 9Deus disse a Abraão: “Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 104(105)

O Senhor se lembra sempre da aliança!

Procurai o Senhor Deus e seu poder, / buscai constantemente a sua face! / Lembrai as maravilhas que ele fez, / seus prodígios e as palavras de seus lábios! – R.
Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, / ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.
Ele sempre se recorda da aliança, / promulgada a incontáveis gerações; / da aliança que ele fez com Abraão / e do seu santo juramento a Isaac. – R.
Evangelho: João 8,51-59

Glória a Cristo, Palavra eterna do Pai, que é amor!

Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: / Não fecheis os corações como em Meriba! (Sl 94,8) – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 51“Em verdade, em verdade, eu vos digo, se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. 52Disseram então os judeus: “Agora sabemos que tens um demônio. Abraão morreu e os profetas também, e tu dizes: ‘Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte’. 53Acaso és maior do que nosso pai Abraão, que morreu, como também os profetas? Quem pretendes tu ser?” 54Jesus respondeu: “Se me glorifico a mim mesmo, minha glória não vale nada. Quem me glorifica é o meu Pai, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus. 55No entanto, não o conheceis. Mas eu o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria um mentiroso como vós! Mas eu o conheço e guardo a sua palavra. 56Vosso pai Abraão exultou por ver o meu dia; ele o viu e alegrou-se”. 57Os judeus disseram-lhe então: “Nem sequer cinquenta anos tens e viste Abraão!?” 58Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, antes que Abraão existisse, eu sou”. 59Então eles pegaram em pedras para apedrejar Jesus, mas ele escondeu-se e saiu do templo. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Abraão é o primeiro elo de uma corrente que se estende ao longo da história da salvação. História que tem como centro e ponto de chegada a pessoa de Jesus Cristo. Abraão esperava a manifestação plena da vida. E isso só acontece com a presença e a prática de Jesus. Como as autoridades não aceitam a vida que Jesus oferece, planejam eliminá-lo. Para escândalo de seus conterrâneos, Jesus afirma: “Antes que Abraão existisse, Eu sou”. “Eu sou” recorda o nome Javé, com que Deus se deu a conhecer a Moisés, por ocasião da libertação do Egito. Jesus assume esse nome por ser o Filho de Deus que revela de modo pleno o projeto do Pai. Não comprometidos com Jesus, os chefes recolhem pedras para apedrejá-lo. Ameaçado de morte, Jesus se retira do Templo e se esconde. Hoje, como sempre, muitas pessoas são ameaçadas de morte. Por quê?

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte: Paulus