Reze
Conosco

Acompanhe a Liturgia Diária e faça seu Pedido de Oração.

Abril, 2019

Liturgia
Diária

DIA 12 – SEXTA-FEIRA
5ª SEMANA DA QUARESMA

(roxo – ofício do dia)

Tende piedade de mim, Senhor, a angústia me oprime. Libertai-me das mãos dos inimigos e livrai-me daqueles que me perseguem. Não serei confundido, Senhor, porque vos chamo (Sl 30,10.16.18).

As obras de Jesus dão testemunho de que ele é o Filho de Deus, o enviado do Pai. O Senhor salva a vida de todos aqueles que o invocam na angústia e nele confiam.

Primeira Leitura: Jeremias 20,10-13

Leitura do livro do profeta Jeremias – 10Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando o medo em redor: “Denunciai-o, denunciemo-lo”. Todos os amigos observavam minhas falhas: “Talvez ele cometa um engano, e nós poderemos apanhá-lo e desforrar-nos dele”. 11Mas o Senhor está ao meu lado como forte guerreiro; por isso, os que me perseguem cairão vencidos. Por não terem tido êxito, eles se cobrirão de vergonha. Eterna infâmia, que nunca se apaga! 12Ó Senhor dos exércitos, que provas o homem justo e vês os sentimentos do coração, rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles; pois eu te declarei a minha causa. 13Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 17(18)

Ao Senhor eu invoquei na minha angústia, / e ele escutou a minha voz.

Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, / minha rocha, meu refúgio e salvador! – R.
Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, † minha força e poderosa salvação, / sois meu escudo e proteção: em vós espero! / Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! / E dos meus perseguidores serei salvo! – R.
Ondas da morte me envolveram totalmente, / e as torrentes da maldade me aterraram; / os laços do abismo me amarraram / e a própria morte me prendeu em suas redes. – R.
Ao Senhor eu invoquei na minha angústia / e elevei o meu clamor para o meu Deus; / de seu templo ele escutou a minha voz, / e chegou a seus ouvidos o meu grito. – R.
Evangelho: João 10,31-42

Glória a Cristo, Palavra eterna do Pai, que é amor!

Senhor, tuas palavras são espírito, são vida; / só tu tens palavras de vida eterna! (Jo 6,63.68) – R.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João – Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?” 33Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque, sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’? 35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia quando eu digo que sou Filho de Deus, eu, a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acrediteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”. 39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem é verdade”. 42E muitos, ali, acreditaram nele. – Palavra da salvação.

Reflexão:

À medida que se aproxima a paixão e morte de Jesus, seus adversários parecem mais furiosos. Com pedra nas mãos, anseiam por acabar com ele, como se fosse um malfeitor extremamente perigoso. Jesus, no entanto, de modo sereno e soberano, segue explicando que o Pai o santificou e enviou ao mundo. Ele realiza as obras que o Pai lhe mandou fazer. Que acreditem ao menos nessas obras e compreenderão a íntima união entre ele e o Pai. Terreno impenetrável é o coração dos dirigentes, que mais uma vez tentam prender Jesus. Afastando-se de Jerusalém, ele volta ao lugar onde iniciou a missão, exatamente onde João costumava batizar. E aí, ao contrário das autoridades, o povo acolhe Jesus e se dispõe a fazer parte do seu rebanho.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Fonte: Paulus