Reze
Conosco

Acompanhe a Liturgia Diária e faça seu Pedido de Oração.

Novembro, 2020

Liturgia
Diária

24 – TERÇA-FEIRA
SANTO ANDRÉ DUNG-LAC

PRESBÍTERO E MÁRTIR

(vermelho, pref. comum ou dos mártires – ofício da memória)

A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser a nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; para os salvos, como nós, ela é poder de Deus (Gl 6,14; 1Cor 1,18).

Esta memória litúrgica engloba 117 cristãos, liderados pelo padre André Dung-Lac, martirizados no Vietnã entre os anos 1830 e 1870. Padre André foi pároco e missionário em diversas partes do país. Preso e libertado várias vezes, acabou morrendo decapitado por ordem do governo local. Possa o sangue dos mártires gerar, por toda parte, novos e fervorosos seguidores de Cristo.

Primeira Leitura: Apocalipse 14,14-19

Leitura do livro do Apocalipse de São João – Eu, João, 14na minha visão, vi uma nuvem branca e, sentado na nuvem, alguém que parecia um “filho de homem”. Tinha na cabeça uma coroa de ouro e, nas mãos, uma foice afiada. 15Saiu do templo um outro anjo, gritando em alta voz para aquele que estava sentado na nuvem: “Lança tua foice e ceifa. Chegou a hora da colheita. A seara da terra está madura!” 16E aquele que estava sentado na nuvem lançou a foice, e a terra foi ceifada. 17Então saiu do templo que está no céu mais um anjo. Também ele tinha nas mãos uma foice afiada. 18E saiu, de junto do altar, outro anjo ainda, aquele que tem o poder sobre o fogo. Ele gritou em alta voz para aquele que segurava a foice afiada: “Lança a foice e colhe os cachos da videira da terra, porque as uvas já estão maduras”. 19E o anjo lançou a foice afiada na terra e colheu as uvas da videira da terra. Depois, despejou as uvas no grande lagar do furor de Deus. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 95(96)

O Senhor vem julgar nossa terra.

1. Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!” † Ele firmou o universo inabalável, / e os povos ele julga com justiça. – R.

2. O céu se rejubile e exulte a terra, / aplauda o mar com o que vive em suas águas; / os campos com seus frutos rejubilem, / e exultem as florestas e as matas. – R.

3. Na presença do Senhor, pois ele vem, / porque vem para julgar a terra inteira. / Governará o mundo todo com justiça / e os povos julgará com lealdade. – R.

Evangelho: Lucas 21,5-11

Aleluia, aleluia, aleluia.

Permanece fiel até a morte, / e a coroa da vida eu te darei! (Ap 2,10) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 5algumas pessoas comentavam a respeito do templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas. Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isso? E qual vai ser o sinal de que essas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que essas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Jesus prediz a destruição de Jerusalém e do Templo: “Não ficará pedra sobre pedra”. Quando Lucas escreve o evangelho, por volta do ano 80, a “cidade santa” e o Templo já tinham sido destruídos. Uma curiosidade que atravessa os séculos é: quando será o fim, isto é, a vinda do Filho do Homem? Jesus não define data. Apenas procura mostrar que a história segue seu curso com guerras e revoluções, terremotos, fome, peste. São flagelos, infelizmente constantes, que marcam a vida da humanidade. Vão aparecer charlatães assustando o povo, com suas enganadoras previsões. Jesus avisa: “Cuidado para não serem enganados”. No meio desse turbilhão de tragédias naturais e notícias falsas, o evangelho nos propõe Jesus como o verdadeiro libertador, o único Mestre a quem devemos seguir e servir.

Oração
Ó Jesus, divino Mestre, contigo aprendemos que nada neste mundo é para sempre. Mesmo o Templo, que parecia indestrutível, acabará em ruínas. Ajuda-nos, Senhor, a concentrar nossos interesses e energias sobre valores perenes, como a prática da justiça, do amor e da solidariedade. Amém.

(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))

 

Fonte: Paulus