Reze
Conosco

Acompanhe a Liturgia Diária e faça seu Pedido de Oração.

Dezembro, 2019

Liturgia
Diária

Dia 30 – SEGUNDA-FEIRA
OITAVA DO NATAL
(branco, glória – ofício próprio)
Enquanto um profundo silêncio envolvia o universo e a noite ia no meio do seu curso, desceu do céu, ó Deus, do seu trono real, a vossa Palavra onipotente (Sb 18,14s).
A meta do cristão é cumprir a vontade de Deus, mas é preciso cuidar para que o amor às coisas do mundo não nos afaste do serviço ao Senhor e não nos feche à libertação que ele nos oferece.

Primeira Leitura: 1 João 2,12-17

Leitura da primeira carta de são João – 12Eu vos escrevo, filhinhos: os vossos pecados foram perdoados por meio do seu nome. 13Eu vos escrevo, pais: vós conheceis aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevo, jovens: vós vencestes o maligno. 14Já vos escrevi, filhinhos: vós conheceis o Pai. Já vos escrevi, jovens: vós sois fortes, a Palavra de Deus permanece em vós, e vencestes o maligno. 15Não ameis o mundo nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai. 16Porque tudo o que há no mundo – as paixões da natureza, a concupiscência dos olhos e a ostentação da riqueza – não vem do Pai, mas do mundo. 17Ora, o mundo passa, e também a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 95(96)

O céu se rejubile e exulte a terra!
1. Ó família das nações, dai ao Senhor, † ó nações, dai ao Senhor poder e glória, / dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! – R.
2. Oferecei um sacrifício nos seus átrios, † adorai-o no esplendor da santidade, / terra inteira, estremecei diante dele! – R.
3. Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!” † Ele firmou o universo inabalável, / e os povos ele julga com justiça. – R.

Evangelho: Lucas 2,36-40

Aleluia, aleluia, aleluia.
Um dia sagrado brilhou para nós: / nações, vinde todas adorar o Senhor, / pois hoje desceu grande luz sobre a terra! – R.
Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 36havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37Depois ficara viúva e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A profetisa Ana está presente ao ritual de apresentação do Menino Jesus no templo. Ana e Simeão, ambos idosos e guiados pelo Espírito Santo, exprimem a longa espera da humanidade e apresentam-se como testemunhas da vinda do Libertador. À semelhança de Simeão, Ana prorrompe em louvor a Deus e fala do Menino “a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém”. Esta cidade é considerada pelo evangelista Lucas o centro da obra da salvação. Outro aspecto típico de Lucas é mostrar a participação da mulher no anúncio do evangelho. Terminado o ritual, Jesus e seus pais voltam a Nazaré, sua cidade. E aí o Menino se submete às leis naturais do crescimento humano: “Crescia cheio de sabedoria e a graça de Deus estava com ele”.

(Dia a dia com o Evangelho 2019 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

 

Fonte: Paulus